Publicidade

Publicidade
23/05/2017 - 10:31

O EXEMPLO DE ANITA GARIBALDI

Compartilhe: Twitter

Além de ser um belo romance, ANITA, a última obra de Thales Guaracy, presta um grande serviço à pobre memória dos brasileiros. Guardamos uma fugaz lembrança de Anita Garibaldi e até mesmo de seu marido, Giuseppe Garibaldi, que batalhou na Laguna, no sul do Brasil e foi o grande herói unificador da Itália.

Anita não foi apenas uma memória perdida, mas a própria memória da coragem. Mulher simples, bonita, do interior altivo do Brasil, Aninha do Bentão, decidia tudo num simples olhar.

Esta historia só poderia ser contada, como o fez o autor de Anita, pelos olhos finais de Giuseppe Garibaldi. O herói que a perdera no meio da guerra, não tinha lembrança de outra mulher mais corajosa, mais mãe, mais guerreira. Anita, desde sempre, foi o exemplo da mulher que se afirma pela força, a dizer que na luta e na esperança não há gênero, há coragem ou abandono.

Thales Guaracy conta sucinto. Não há desperdício numa vida curta. Mas há tudo num percurso heróico. Esse livro, editado pela Record, é para ser lido. Lido agora, num tempo em que a mulher saiu das lendas e das rendas protetoras, para tornar-se com o homem, sujeito do caos ou da grandeza.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
18/05/2017 - 11:40

O BRASIL SÓ ACEITA UMA SAÍDA LEGAL

Compartilhe: Twitter

Estamos num buraco sem tamanho. O presidente Temer nas cordas. Aécio em nocaute técnico. Os aliados saindo da arena. O PT aproveitando o que os militantes mais gostam: somos todos iguais, melhor nós do que eles. O congresso imobilizado pelo próprio descrédito.

O que fazer ? como fazer? Quando fazer?

Só há uma saída. O respeito as leis. O respeito à democracia. Só o poder judiciário pode garantir isso no Brasil.

Garantir as substituições temporárias legais. Promover eleições indiretas (Art. 81) como manda a lei, cujo novo presidente deverá presidir as eleições de 2018.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
17/05/2017 - 10:39

PERDEMOS A MEMÓRIA

Compartilhe: Twitter

A memória pessoal desaparece quando temos interesse que ela desapareça ou quando o cérebro pendura a chuteira.

A memória de uma nação desaparece porque é induzida a desaparecer por força de novos interesses ou pela atração dos novos modelos.

O cérebro de uma nação, contudo, é a alma do povo.

Ela fica congelada, mas costuma dar o ar da graça em situações extremas.

O que nos estaria a dizer, agora, esta alma congelada?

Perdemos a educação, o que significa que não respeitamos a opinião do práximo e somos incapazes de estabelecer um diálogo.

Perdemos a sensibilidade no relacionamento, substituindo-a pelo ódio intelectual.

Perdemos a confiança na politica, único instrumento democrático para organizar a representação do povo junto aos poderes.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
12/05/2017 - 00:05

NO DEPOIMENTO DE LULA SÓ HÁ UM PROBLEMA: A MENTIRA

Compartilhe: Twitter

Para os adeptos de Lula, um processo em que o convocado é Lula Ignácio da Silva, é considerado perseguição insuportável contra o candidato à presidência da República. Pelo contrario, é um ato natural de qualquer processo penal, que dá oportunidade ao indiciado de responder questões vitais, colocadas pelo juiz. É uma oportunidade oferecida pela Justiça, não uma perseguição ao candidato.

PT, contudo, constitui oportunidade para a negativa e para atos eleitorais. O PT sente-se desesperado fora do poder, sem a esquadrilha de parlamentares , de partidos, instituições e sindicatos que sustentam os atos e os desatinos.

Mais de quinhentos depoimentos na Operação Lava Jato, de réus, delatores premiados, testemunhas condenadas, promotores, amigos, inimigos, empresários, publicitários, deputados e senadores denunciam atos praticados dentro dos governos e do parlamento. Viram, praticaram, intermediaram, entregaram dinheiro ao PT, ao PMDB, a diversos partidos. Deram ou destinaram dinheiro a políticos da alta à altíssima posição para a decoração de sítios, campanhas eleitorais, caixa 1 e caixa 2. Organizaram o envio de dinheiro ao exterior.

Só Lula não vê, não viu nada. Logo ele que mandava em tudo, definia cada passo do partido, inclusive a indicação pessoal da Dilma, como candidata do PT, que nunca foi seu partido. Logo ele, o ex-presidente que distribuí ministérios, fundos e presidências de empresas publicas para produzir governabilidade.

Logo ele, ex-presidente que usufruia um sitio que não era seu, visitava um apartamento em construção, com o presidente da empreiteira, para dizer que era uma porcaria. Fazia conferencias fantasmas e recebia o cachê do Clinton. Guardava o acervo de ex-presidente com transporte e depósito pagos pela empreiteira. Marcava encontro, num hangar, como nos filmes, com um ex-diretor da Petrobrás, e pivô da distribuição de dividendos do petróleo, para saber se ele tinha depósitos no exterior.

Não sabia de nada. Nunca soube de nada. Talvez D. Marisa soubesse.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
06/05/2017 - 10:43

JOSÉ DIRCEU É ACLAMADO NA REUNIÃO DO PT

Compartilhe: Twitter

José Dirceu, a distancia, foi aclamado na reunião do PT, enquanto Lula foi consagrado, como candidato natural do partido. As pesquisas já o haviam colocado em primeiro lugar, com 22% dos votos. Esses fatos indicam que para os militantes e eleitores do partido, delações, indiciamentos e até condenações não têm a menor importância. Talvez , até mesmo para seus intelectuais. Neste domingo o austero colunista André Singer, gasta um precioso espaço da Folha para chover no molhado, revelando que o eleitorado pobre da cidade está com Lula e o eleitorado rico está com Bolsonaro, o que repete o que as pesquisas já haviam mostrado em duas páginas do mesmo jornal.

O que André Singer se esqueceu de dizer é que o eleitorado do PSDB, o grande opositor do PT, pela simples delação de alguns de seus líderes, retirou-os provisoriamente e talvez definitivamente da disputa. Isso quer dizer que o eleitorado do PSDB, de classe media, pobre ou rica, não aceita nem a mera menção à corrupção. Montoro tinha horror à corrupção e seu partido parece ter herdado essa virtude. Tanto é que os seus líderes citados, Aécio e Alckmin, perderam posição no IBOPE eleitoral, dando margem ao surgimento inesperado de novos candidatos, como o Doria.

A atual pesquisa retrata um flagrante da atual situação eleitoral muito significativa, mas que não preconiza o retrato real de uma eleição em 2018, quando a poeira política e judicial tiver baixado, a reforma eleitoral estiver concluída e as consequências da crise econômica, politica e moral estiverem devidamente assimiladas.

Uma coisa é certa, os petistas terão sua cota, maior com Lula, menor sem Lula, a extrema direita ocupará seu espaço ampliado, tendência universal que não excluirá o Brasil e um centro democrático terá sua oportunidade de vencer, se vestir roupagens novas e mais consistentes.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
03/05/2017 - 19:30

CARMEN LUCIA EM BOA PROSA

Compartilhe: Twitter

Carmen Lucia, a presidente do Supremo, deu um banho de inteligência, de patriotismo e de mineirice na Conversa com Pedro Pial, na Globo. Mostrou a maturidade de uma mulher brasileira capaz de presidir o Supremo ou qualquer coisa. Carmen sabe e proclama que sua função é julgar, mas julgar ao lado do povo, defendendo os interesses constitucionais da cidadania.

Com humor, durante o programa, aplaudida inúmeras vezes, defendeu que os interesses do homem brasileiro se confundem com a poesia. Trouxe ao cenário da meia noite, na TV, o bom senso do herói sertanejo de Guimarães Rosa, Riobaldo.

” -Mestre não é quem sempre ensina, mas quem de repente aprende.”

A prosa do Pial, felizmente fora do BBB, com Carmen Lucia, foi uma lição do que é uma prosa civilizada em tempos de cólera. Sem berro nem ódio, Carmen Lucia proclamou a conciliação do poder com a lucidez e dos inimigos com a razão patriótica.

Sua presença nos próximos embates do Supremo será fundamental, porque o Supremo ainda parece dividido entre os que professam o direito para realizar a justiça e os que se utilizam do direito para justificar os compromissos políticos

 

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
25/04/2017 - 18:28

UMA CARTILHA PARA OS PRESIDENCIÁVEIS.

Compartilhe: Twitter

No imenso vazio do horizonte, aparecem Doria e Haddad, como plano B do PSDB e do PT, respectivamente. É claro que Alckmin é o candidato ainda mais forte do partido de FHC e Lula, o mais forte do partido de Lula. Mas política é imprevisibilidade.

Doria e Haddad tem um perfil jovem, consentâneo com o desejo de novidade que o período pede. Um é um realizador, o outro um planejador. Ambos fora dos padrões políticos aparentes, pois ambos são políticos 24 hs. por dia. Contudo, Doria é bastante descolado dos compromissos partidários, enquanto Haddad é súdito fiel da ideologia petista. Doria já ganhou do outro e assim corre na frente.

Mas política, além da oportunidade, é qualidade. Se a oportunidade empurra um não candidato à condição de candidato, isso não basta. É preciso que ele tenha qualidades para desempenhar o papel oferecido pelo acaso. Quando não tem dá Collor, Pitta, Maduro, Dilma e tantos outros.

Qualidade são as virtudes que podem fazer de um Zé Ninguém um estadista. Um estadista não precisa necessariamente ter sido um parlamentar. Hoje em dia é até melhor que não tenha passado pela escola da coalizão propínica.

Precisa, no começo do DNA, ter horror à corrupção e ser um bom gestor. Mas isso também não basta. Precisa ter a noção e um comprometimento feroz com a ideia e a pratica do BEM COMUM. Isso quer dizer que ele será um republicano de carteirinha.

E só precisa mais duas virtudes. Planejar o governo com a sociedade, todos os setores da sociedade. A isso, Montoro, que era um estadista, chamava de PARTICIPAÇÃO. E, por fim, descentralizar a realização do que foi planejado, por camadas institucionais e geográficas. Isso, qualquer governante que se preze chamaria de DESCENTRALIZAÇÃO. São essas virtudes que transformam um idealista num democrata, uma nação numa DEMOCRACIA, e a democracia é fundamental.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
22/04/2017 - 13:23

O JOIO E A SOJA

Compartilhe: Twitter

Só a Justiça poderá separar finalmente o joio da soja. São tantas as delações e os detalhes em vídeos constrangedores que só escaparam os homens sem importância. .Para nós, cidadãos, sobrou o enredo e o cenário. Como avaliar os personagens? A evidência dos fatos é tal, que só um espirito de má fé ou completa obsessão partidária poderia por dúvida no acontecido.

Mas, temos amigos e correligionários que gostaríamos de preservar. Isso, pela amizade, ora avaliações pessoais do caráter ou mesmo pela biografia aparente, que ostentaram perante a sociedade.

Há raras exceções, que estão no bolo porque a bola sempre passa perto da trave de quem está no poder.

Uns, pendurados, buscam a blindagem. Alguns esperam limpar a barra. Outros, no poder, buscam salvar a economia e a pele com as receitas do FMI. Outros se regozijam com a desgraça do poder. Os mais fatalistas apostam no tempo, mãe da verdade, como costumava afirmar Collor, e com razão. O cidadão sofrido com a pobreza, a descriminação, espoliação e uma qualidade inferior como ser social, tem até o direito de querer a vingança.

Uma silenciosa maioria, até agora silenciosa, acredita na democracia, na liberdade, aguarda com esperança a decisão da justiça. A justiça para punir os crimes. A substituição do sistema para resolver a política, com a completa substituição dos protagonistas no poder. Quanto à política essa minoria exige uma substituição do poder. E só isso vai separar o joio da soja.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
15/04/2017 - 23:20

A PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO

Compartilhe: Twitter

Ressurreição conclui condenação, flagelo e morte. Não é um presente gratuito da continuidade. Nem é o passo concluído da evolução da espécie. Ressurreição só se entende pelo absurdo da fé.

É o mistério mais complexo de um evangelho cheio de simplicidades.

Tudo no evangelho é singelo como uma parábola, núpcias,nascimentos, milagres, sermões, vigílias, jejuns, pedras atiradas e recolhidas, água transformada em vinho. Tudo no evangelho é o amigo. Um cara terrível que pregava o amor. E quando lhe perguntavam respondia: Eu sou o caminho e a luz. Na Montanha, quando se esperava um discurso grego, dizia: Bem aventurados os pobres de espirito. Acolhia os leprosos, os pobres e as prostitutas como convidados de honra ao piquenique da salvação. No Templo, em vez de se ajoelhar bonitinho, espancava gatunos e agiotas. Queriam um rei e ele respondia: Meu reino não é deste mundo.

Ressurreição é o começo do outro lado da história. É passagem. Vivos, não chegamos a compreender esse lado oculto do mistério. Então, comemos ovos de páscoa.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
13/04/2017 - 11:11

TRES MOMENTOS PARA SEREM ESQUECIDOS

Compartilhe: Twitter

Em três momentos o Brasil me pareceu tristemente ridículo:

Quando os deputados declaram seus votos no impeachment.

Quando a Odebrecht publicou o apelido dos políticos corruptos.

Quando Emilio Odebrecht disse ao então presidente Lula:

“ -Seu pessoal está com a goela muito aberta ”.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
Voltar ao topo